Saiba aqui 5 fatos sobre a segurança na transação de criptomoedas

6 minutos para ler

A oferta de criptomoedas tem crescido nos últimos anos, com milhares de pessoas ao redor do mundo olhando com bons olhos para os criptoativos. Contudo, qual é a real segurança de realizar transações de ativos digitais?

Conforme mais e mais pessoas conhecem e se aventuram nesse mercado digital, dúvidas surgem acerca de quão seguro é investir e movimentar esse tipo de ativo.

Nosso objetivo com este post é tirar as suas dúvidas sobre o que são as criptomoedas e quais são os principais fatos sobre a segurança das transações com as moedas digitais. Confira!

O que são criptomoedas?

O conceito de criptomoedas nasceu com o Bitcoin, a moeda mais famosa, mas vai além disso hoje. Podemos dizer que as criptomoedas são sistemas de pagamento digital.

Elas são totalmente independentes do sistema bancário, sendo que as próprias moedas, cada uma de sua maneira, têm uma forma de lidar com as transações e validações.

Esse sistema se utiliza da internet e do poder computacional de seus próprios usuários. Ao invés de utilizar-se de algo físico, como o papel moeda, as transações utilizam entradas digitais em um banco de dados online.

Quando uma transação acontece, ela é registrada em um livro contábil digital público, que registra e garante todas as movimentações. As moedas, então, são armazenadas em uma carteira digital com acesso único.

Elas são chamadas de criptomoedas exatamente por possuírem modelos de criptografia para confirmar transações e movimentações, aplicando codificação avançada na transmissão de dados e no armazenamento de informações.

Qual é a relação entre segurança e criptomoedas?

As moedas digitais têm uma certa mística como algo do mal ou que remete a crimes e obscuridade, e isso se deve quase que totalmente ao fato de muitos hackers utilizarem os criptoativos.

Isso não significa que elas não sejam seguras, totalmente ao contrário: é algo tão confiável que até mesmo os próprios hackers confiam de que essa é a melhor maneira de movimentar valores.

As criptomoedas nasceram com uma premissa de segurança, utilizando a tecnologia Blockchain. Ela registra todas as movimentações realizadas em uma espécie de livro contábil público, que é tecnicamente impossível de ser fraudado.

O principal objetivo por trás da criação das moedas digitais era criar um sistema monetário mais seguro, livre de bancos e governos, e que desse total autonomia e liberdade aos seus usuários.

Hoje, temos milhares de criptomoedas, além do sucesso do Bitcoin. Todas elas, criadas em cima dessas premissas e utilizando ainda mais tecnologias de segurança.

Investir em criptomoedas está se tornando algo cada vez mais lucrativo e seguro, conforme novas tecnologias e ferramentas surgem no mercado.

No entanto, é preciso atenção. Mesmo com todas essas camadas de segurança, os riscos existem. Já ocorreram várias fraudes envolvendo o roubo do acesso à carteira virtual, com a transferência de valores que não puderam ser recuperados.

Quais são os principais fatores de segurança nas criptomoedas?

Agora que você já conhece um pouco mais sobre as criptomoedas, vamos mostrar alguns fatos sobre a segurança e os ativos digitais.

Guia da Metodologia AgilPowered by Rock Convert

1. Criptografia e tecnologia Blockchain

As moedas fiduciárias, que circulam no sistema monetário tradicional, ficam guardadas em um banco ou um local físico. Os criptoativos ficam armazenados em carteiras virtuais, em plataformas e dispositivos.

Todas as transações e negociações realizadas com os criptoativos são registradas dentro de um bloco, que é inserido em uma cadeia — a chamada Blockchain, a tecnologia centro das criptomoedas.

Isso é o principal garantidor acerca das transações financeiras realizadas pelas criptomoedas, além de trazer transparência para todas as movimentações. Afinal, qualquer usuário na rede pode verificar um determinado bloco e avaliar uma transação.

2. Carteira auto-custodiante

As criptomoedas mantêm uma premissa de liberdade do usuário. Dentro desse conceito, temos as carteiras auto-custodiantes: carteiras digitais que armazenam criptoativos.

Com elas, o investidor fica totalmente livre para armazenar e movimentar seus ativos digitais sem estar ligado a nenhum tipo de plataforma e sem o pagamento de taxas. Nesse caso, ele terá um chave mestra, em seu dispositivo, computador ou celular, pela qual poderá realizar suas transações.

O cuidado aqui é com a perda da chave: caso não tenha backup, poderá fazer com que o investidor não tenha mais acesso aos seus investimentos.

3. Cold Wallet

Chamamos de Cold Wallet as carteiras administradas por plataformas. É uma herança do sistema tradicional bancário, no qual o usuário tem uma conta onde deposita seus ativos e realiza as movimentações, pagando uma determinada taxa.

Assim como funciona em um banco comum, temos os custos de se manter uma conta, mas também existem algumas garantias que nos trazem maior segurança contra perda de dados. Porém, mesmo que esse modelo tenha algumas garantias, já aconteceram casos de perdas de ativos depois de invasões de hackers contra essas plataformas.

No entanto, temos certas verificações que trazem uma maior proteção ao usuário, como o agendamento para a realização de transações de maior valor e outros sistemas anti-fraude.

4. Custódia terceirizada

A custódia terceirizada é um serviço um pouco mais caro, mas podemos dizer que é a maneira mais segura de se manter ativos digitais.

As instituições que fazem esse tipo de controle garantem a custódia das criptomoedas por meio de uma equipe especializada, assim como as suas movimentações para o usuário, utilizando todos os protocolos de segurança disponíveis.

Nesse caso, se o usuário perder sua chave de acesso ou tiver qualquer outro problema desse tipo, ainda é possível recuperar os seus investimentos sem maiores dificuldades.

5. Rastreamento

Moedas digitais são rastreáveis, ao contrário do que muitas pessoas acreditam. Hoje, já existem empresas de custódia e plataformas de carteiras digitais que oferecem esse serviço.

No caso, se existir uma transferência não autorizada envolvendo a conta de um investidor, é possível rastrear para onde foram enviados os criptoativos e descobrir o endereço que recebeu os valores, praticamente eliminando as fraudes virtuais.

Conforme a segurança aumenta no investimento em criptomoedas, cada vez mais pessoas e empresas entram nesse mercado, visando bons retornos e uma fonte de renda segura.

Quer ficar por dentro de mais posts como este? Assine agora mesmo a nossa newsletter!

Você também pode gostar

Deixe um comentário